5 motivos para você parar de se importar com a opinião dos outros

Eu não sei quais batalhas você enfrenta, também não sei quais são os tormentos, nem quais são as alegrias que florescerem em ti. Eu não sei qual é a sua realidade, tão pouco visto os sapatos que você veste, da mesma forma que você não veste os meus. Desconheço a sua caminhada. Sei apenas o que você me deixa saber. Sendo assim, qual direito eu tenho de apontar o dedo ou jogar pedras na sua vida, se eu não a vivo, tão pouco a conheço? Engraçado que as pessoas vêem apenas o externo, o que a gente permite que elas vejam e elas se sentem no direito de julgar como se vivessem a nossa história. Quem é quem para falar de alguém? Existem oito bilhões de pessoas no mundo e eu duvido que alguém ache quem não tem o telhado de vidro, quem nunca errou, quem nunca se arrependeu, quem nunca quis voltar atrás. No entanto, aquele que não hesita em apontar o dedo e falar da vida do próximo só não pode esquecer que quem muito julga, mais cedo ou mais tarde, acaba virando réu.

as pessoas gostam de falar mal

Até os meus dezesseis anos, eu era uma pessoa que não sabia filtrar as críticas que ouvia e não deixar que elas afetassem de alguma forma a minha vida. Nessa época, principalmente por estar na escola, era muito difícil ouvir alguém falar algo sobre você e não se abalar. Como se já não bastassem as críticas – normais -, ainda ouvi muita coisa absurda (até de professores) por ter saído de casa cedo – como se alguém tivesse alguma coisa a ver com isso, né? -. Por ter saído de casa muito nova, alguns familiares e pessoas próximas também me falaram muitas coisas, muitas vezes, em forma de conselho ou tentando ajudar, mas vez ou outra, essas ajudas vinham com uma pitada de ironia, ou com uma ponta de julgamento, que me deixavam no fundo do poço. Quando sai de casa, minha forma de ver o mundo mudou completamente, e apesar de ter sofrido muito por ver esse outro lado das pessoas, também aprendi a não me deixar levar, nem me entristecer pelo que os outros dizem, afinal, desde que o livre arbítrio existe, cada um pode falar o que quer, mas isso não quer dizer que somos o que falam.

Esse é o primeiro motivo que me fez me desligar dos julgamentos alheios: cada um fala o que quer, cabe a mim entender que ninguém vive o que eu vivo, ninguém paga as minhas contas, ninguém passa os perrengues que eu passo, portanto, ninguém tem o direito de me julgar ou de me afetar com palavras (a não ser que eu permita). Para e pensa: aquela pessoa que fala mal de você ou que julga o seu modo de viver, acorda cedo e vai trabalhar para você? Ela paga as suas contas? Ela é espelho de alguma coisa? Se a resposta for não, não existe motivo no mundo para você se importar. Quem vive sua vida é apenas você. Quem passa os perrengues é apenas você. Quem luta para ter o que você tem, é você. Quem conhece a sua realidade é apenas você. Os outros são apenas os outros.

falam mal de mim

Se você vai para a balada e beija dez, a boca é sua. Se você gosta de usar top, o corpo é seu. Se você gosta de trabalhar onde você trabalha, isso só diz respeito a você. Desde que as suas ações não interfiram na vida do outro, você não deve satisfações para ninguém. Não se limite pelos outros. Não deixe de fazer o que você tem vontade pelos outros. Porque a vida passa rápido demais e ninguém deixa de fazer nada por você. Também vale lembrar que o que falam, é mais um reflexo do que eles são, do que do que você é. Existem pessoas que gostam de rebaixar as outras para se sentirem superiores. Existem pessoas que jogam pedras nas outras para tentar esconder seus próprios defeitos. Existem pessoas que falam mal dos outros, porque é muito mais fácil apontar o dedo do que olhar para o próprio umbigo. Por isso, não seja aquela pessoa que se deixa ofender por pouco, tão pouco seja a pessoa que julga os outros.

Em algum momento da nossa vida, a gente começa a enxergar o quão banal é absorver as palavras negativas que são jogadas em nós, e o quão vago é ser aquele que despeja tais palavras. A vida é difícil por si só. Ninguém precisa ouvir aquilo que não agrega, aquilo que não ajuda, aquilo que só machuca. Da mesma forma, que nós não precisamos dizer tudo o que pensamos. Afinal, o que é errado para mim, pode ser certo para você. O que é bonito para mim, pode não ser para você. O que é uma vida boa para mim, pode ser uma vida ruim para você. Somos universos paralelos vivendo no mesmo mundo. Somos excêntricos e nunca ouvi falar que isso é errado.

o hábito de falar mal dos outros

Que a gente saiba respeitar o outro, o que o outro acredita, o que o outro vive. Que a gente possa entender que cada cabeça é uma sentença. Que a gente possa entender que por mais que as pessoas falem, nada pode definir aquilo que somos. Que a gente possa se blindar daqueles que se preenchem menosprezando os outros. Que a gente possa ter a consciência tranquila por ser quem a gente é. Viva, porque o tempo passa rápido demais. Viva, sem se importar com o que os outros falam. Viva, vivendo a única vida que realmente importa: a sua.

Espero muito que vocês gostem, um super beijo e até o próximo post!

30 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *