Look da semana: vestido liso, jaqueta jeans e tênis Oly

Deixar a vida fluir, deixar ir, deixar terminar, deixar vir, deixar começar. Deixar ir a necessidade de ter controle sobre tudo e todos. Deixar ir a vontade de tentar agradar todo mundo. Deixar ir o medo de ser julgado. Deixar ir a necessidade de saber quem chegará, quem permanecerá e quem irá. Deixar ir a pressa, a urgência. Nós não temos controle de absolutamente nada. Tudo acontece na hora que tem que acontecer, como tem que acontecer. Não adianta segurar o que não irá ficar. Não adianta ter crise de choro, brigar ou perder a refeição, porque isso não muda, nem evita que alguma coisa aconteça. Aproveite sua passagem de forma leve. Respire fundo. Confie nos propósitos do criador e apenas viva. Um dia de cada vez. Um minuto de cada vez. Um segundo de cada vez. Viva da melhor forma que você puder viver, porque a vida passa rápido e não concede hora extra para aqueles que perderam tempo demais.

jaqueta jeans

Lembro que desde pequenininha tinha muito medo de pisar em algum prego, só de pensar revirava os olhos pensando na dor. Pois bem, eu tinha uns dez anos e morava com meus pais no sítio dos meus avôs. Meu pai foi consertar uma cerca e eu fiquei brincando em cima de uma casinha de ração que tinha lá, quando fui pular para descer pisei no tão terrível prego, justo nele que me fazia revirar os olhos de dor, justo nele que tinha tanto medo. E adivinhem? Não foi cena de filme e também não doeu tanto assim. Na hora fiquei tão incrédula por ter acontecido o que tanto temia que nada mais além do meu espanto importou. Isso me deixou uma lição: às vezes, temos tanto, mais tanto medo de alguma coisa que ficamos estagnados no mesmo lugar por medo daquilo acontecer. Só que vocês sabem que a vida é implacável, não é? Não adianta correr, o que tiver que acontecer simplesmente acontece. Mas são nesses chacoalhões que a vida nos dá que vemos que o que tanto temíamos, na verdade, não é tão assustador assim.

Também tinha medo de sair de casa, de desistir do curso técnico de enfermagem que fazia para seguir a profissão que gostava, tinha medo de casamento. Quantos medos não escondemos de tudo e todos e guardamos só para nós. Mas uma hora é preciso tirá-los da caixa e vencê-los. Não podemos ficar sempre receosos com o que pode vir a acontecer. Precisamos estar prontos para enfrentar o que vier. Para desfrutar o que vier de bom e para batalhar com o que vier de ruim, porque a vida é assim, essa intensidade, esse turbilhão de coisas boas e ruins, de receios e vitórias, de insegurança e de resiliência. E ainda bem que ela é assim!

look do dia

Nem preciso dizer que esse tipo de combinação é aquela que me deixa realmente em casa, é aquela que transforma meu próprio corpo em lar, é onde me sinto à vontade para ser quem eu sou, para enfrentar as batalhas que a vida trás, para deixar o que deve ficar e para seguir em frente. Desde minha pré adolescência, jeans e peças básicas tocam no fundinho do meu coração. Por isso, imaginem o quanto pirei quando encontrei esse vestido por apenas R$ 40 na Marisa? Lojas de departamento são minha perdição, principalmente quando encontro esses achados.

Só para não perder o costume, coloquei esse vestido que é um modelo caneladinho, com a jaqueta jeans, que está quase correndo por essa estrada sozinha de tanto que a uso. Para dar um toque diferente, coloquei um cinto com estampa animal print e o tênis Oly, que é a coisa mais linda da vida. Criando um look versátil, feito com peças que podem ser usadas de mil maneiras diferentes e que é extremamente confortável!

tênis oly

Qual é a combinação que te transforma em lar? Aquela que te faz sentir incrível? Compartilha com a gente!

Espero muito que vocês gostem, um super beijo e até o próximo post!

62 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *