Por mais difícil que seja, é preciso admitir: a maldade existe

Se te pedisse para me descrever uma pessoa má, o que você me falaria? Todos nós temos uma ideia de como pode ser uma pessoa assim, de como a gente se protegeria caso ela quisesse nos fazer algum tipo de mal e que é preciso tomar distância se por acaso ela surgir em nossa vida, porém, nem sempre estamos preparados para identificar alguém que é mau, mas que não parece ser. Acredito que isso aconteça pelo fato de ser muito difícil identificar algo que não faça parte efetiva da nossa rotina. Logo algumas possibilidades absurdas, mas possíveis, passam bem longe da nossa cabeça e, eventualmente, para nosso espanto, acabam se concretizando. Para exemplificar para vocês, escolhi duas histórias diferentes que mostram como as pessoas más tiram nosso foco, perturbam nossa vida e às vezes, até conseguem acabar com ela.

”O escorpião aproximou-se do sapo que estava à beira do rio. Como não sabia nadar, pediu uma carona para chegar à outra margem. Desconfiado, o sapo respondeu: “Ora, escorpião, só se eu fosse tolo demais! Você é traiçoeiro, vai me picar, soltar o seu veneno e eu vou morrer.” Mesmo assim o escorpião insistiu, com o argumento lógico de que se picasse o sapo ambos morreriam. Com promessas de que poderia ficar tranquilo, o sapo cedeu, acomodou o escorpião em suas costas e começou a nadar. Ao fim da travessia, o escorpião cravou o seu ferrão mortal no sapo e saltou ileso em terra firme. Atingido pelo veneno e já começando a afundar, o sapo desesperado quis saber o porquê de tamanha crueldade. E o escorpião respondeu friamente: – Porque essa é a minha natureza!” (Trecho retirado do livro “Mentes Perigosas” da Psiquiatra Ana Beatriz Barbosa Silva)

Como um passe de mágica entregamos as chaves da nossa vida nas mãos da pessoa errada e muitas vezes somos nós mesmos que a convidamos para entrar. A história do sapo e do escorpião demonstra bem isso. Tudo acontece rápido e sem que a gente perceba, ficamos mais enroscados que um inseto em uma grande teia de aranha. É importante que a gente saiba que nem todas as pessoas são iguais. Existem as pessoas boas, que se colocam no lugar do outro e que não fariam ou desejariam mal nem para uma barata. Mas também existem aquelas que não sentem empatia, nem amor, ou sequer entendem o que é respeito.

Talvez vocês estejam estranhando as imagens do filme ”Possuídos” ilustrando esse post, mas foi essa história que me inspirou a escrever esse post, ela me fez refletir sobre como o mal está na onde a gente menos se espera e como ele é mais poderoso do que a gente imagina. Após a execução de um serial killer, John Hobbes ((Denzel Washington), um detetive, acredita que parte dos seus problemas terminaram, mas logo repara que pessoas na rua cantam a mesma melodia que o criminoso cantou na câmara de gás. Gradativamente o policial conclui que todos estavam possuídos por Azazel, um anjo amaldiçoado que não tem forma mas que com um simples toque consegue penetrar em quase todas as pessoas. Quando Hobbes é forçado a matar um professor, que estava possuído por Azazel, fica claro que ele precisa proteger as pessoas desta entidade demoníaca.

O mal está em todos os lugares, quase sempre ocupando posições de poder onde poderão exercer maior influência sobre as pessoas. Mestres do convencimento sempre conseguem inverter o jogo a favor deles, dizendo que a culpa de seus aborrecimentos é dos outros. Fazendo suas vítimas pensarem ter culpa pelo que não fizerem e agirem diferente de como sempre agiram. Saber da existência do mal é o primeiro passo para se prevenir. Afinal, ninguém está imune a ele em um mundo tão competitivo e cheio de valores deturpados como o nosso, mas eu diria que a nossa intuição ainda é a nossa maior e melhor aliada na detecção de pessoas efetivamente más, mas que se vestem com uma linda pelagem de cordeiro. A nossa intuição quase sempre, movida pelo que há de mais genuíno e sentimental em nós, nos alerta acerca da conduta errática do outro. Só cabe a nós dar ouvidos a ela com carinho, mesmo diante daquela vontadinha de subestimá-la frente ao que nos parece quase irresistível.

Vocês já assistiram esse filme do Denzel Washigton? Compartilha com a gente!

Espero muito que vocês gostem, um super beijo e até o próximo post!

50 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *