Você está feliz com a vida que você leva?

Desligue-se de tudo por apenas um instante. Olhe ao seu redor. O que você vê te deixa feliz? Acordar todos os dias, viver essa rotina, estar com essas pessoas, trabalhar nessa empresa, vestir essas roupas, reflete e preenche todos os espaços que existem em você ou tem alguma coisa fora do lugar? Tudo bem se sua resposta for não, a vida é assim, descarrilha os nossos trens e a gente simplesmente não sabe como voltar para a nossa estrada de ferro. Por sorte, é você quem manobra o trem que conduz sua vida, mesmo sem saber para onde ir, é você quem deve escolher qual estrada seguir: aquela que é cheia de buracos, mas que se tornou cômoda ou aquela que te fará encontrar o seu propósito, a razão pela qual você vive, o seu lugar. Qual você escolhe seguir?

Quando você olha para o seu emprego, por exemplo, você vê algo que você sempre sonhou em fazer? Do que adianta trabalhar como advogada se tudo o que você gostaria de ser é professora? Ou então, ser veterinária, sendo que seu sonho sempre foi fazer jornalismo? Você pode viver a vida toda trabalhando em um emprego que você não gosta, porque precisa pagar as contas ou porque aquele emprego te trás segurança, mas você nunca será realmente realizada com aquilo. Arriscar é difícil. Mas é no risco que a gente se (re) encontra com quem a gente realmente é.

Você pode viver a vida inteira com alguém que você não ama, em um emprego que você nunca almejou, em uma casa que não te trás o aconchego de um lar, você pode.. mas será que vale a pena abrir mão da sua vida, por uma segurança ilusória que um casamento de aparências, um emprego com carteira registrada, uma casa no seu nome, te transmitem? Digo que são ilusórios, porque no dia de amanhã, talvez o seu casamento não exista mais, talvez você seja demitido desse emprego, afinal, nada nessa vida é definitivo. Nessa vida só temos uma certeza: há de que não seremos eternos. E se por um acaso, estivermos jogando fora a única vida que temos por medo de arriscar?

Quando estiver perdido, quando sentir que algo está fora do lugar, quando o que normalmente te fazia feliz já não fazer mais, pare e procure em você mesmo. Sua melhor versão é aquela que te faz sorrir todos os dias de manhã, sem perder o prazer de viver. Seu corpo e sua mente falam com você o tempo todo, ouça-os com atenção e pergunte-se: o que eu quero? Vivemos no automático e na correria, dificilmente paramos para pensar em como estamos nos sentindo ou se realmente estamos onde queremos estar. Saia do automático que te leva para o ”eu devo” ou ”eu tenho que” e coloque-se no modo ”desfrutar”. Mesmo que seja fazendo as mesmas coisas de sempre.

Viva um dia de cada vez. Acorde, sorria e agradeça pelo dia que te espera, agradeça pelo que tem e pelo que não tem também e não se preocupe, desde que você não permaneça estagnada no mesmo lugar, o que é seu vai chegar até você de um jeito ou de outro. Arrisque-se, jogue-se ao desconhecido pelo menos uma vez. Permita-se ser feliz porque você merece.

O que você mais gosta na sua vida atual e o que você gostaria que fosse diferente? Compartilha com a gente!

Espero muito que vocês gostem, um super beijo e até o próximo post!

59 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *