Ninguém sabe o que é até descobrir o que pode fazer

Há pessoas que colocam música em nossas partituras vitais, e fazem isso sem perceber, elas são poesia, donas de um encaixe perfeito nas linhas de nossos corações. Há também aquelas pessoas que são luz e ainda nem sabem. E aquelas que preferem ser ruído ao invés de inspiração. Quando descobrimos o que está além das fronteiras do medo, do ”você não sabe”, do ”você não pode” que os outros infiltravam em nós, conhecemos quem a gente realmente é. Velejar pela aventura de ser você mesmo em um mundo que luta todos os dias para que não o consigamos é, sem dúvida, nossa melhor conquista.

Se pensarmos nisso por apenas um instante, perceberemos o quanto vivemos em uma sociedade que trabalha com rótulos. Essa é a forma que a sociedade encontrou para classificar as pessoas, delimitá-las e afastá-las de sua própria essência. Sua própria identidade. O pior de tudo é que vivemos isso no trabalho, nas escolhas e até no núcleo familiar. No entanto, é melhor ser você mesmo que uma cópia ruim de outra pessoa. É essencial que a gente se liberte dos rótulos e das atribuições que outros criaram para nós. Para descobrimos quem somos, para explorarmos a imensidão que está dentro de nós.

Você pode fazer suas próprias escolhas. Depositam milhões de expectativas sobre nós, até que uma hora, construímos os nossos caminhos de acordo com o que os outros esperam de nós, deixando-nos sem voz ou voto. Não permita, descubra quais são as suas prioridades e as reivindique, lute por elas. Você pode e deve decidir por si mesmo. Diga não quando achar necessário, isso não é um ato de egoísmo, é um ato de respeito próprio, de necessidade vital. Se você ainda não sabe ouvir suas vontades, atende aos seus valores (seus e de mais ninguém) e ouça seu coração (seu e de mais ninguém).

Você pode fazer o que você quiser. Somos tão julgados pelas pessoas alheias, no trabalho, em nossos círculos de amizade, em nosso ambiente familiar. Muitos de nós crescemos dando grande importância à opinião dos outros, tanto que, pouco a pouco, criamos barreiras defensivas e uma zona de conforto para se instalar, para poder seguir os parâmetros que os outros criaram para nós. Nunca descobriremos quem somos até que a gente perceba o que podemos fazer. Atreva-se, mude os cenários, teste-se e descubra até onde você pode ir.

O que você faz, que te faz feliz. Quando você tem coragem de deixar de lado a benevolência, surge aquele ser autêntico, pleno e extraordinário que todos nós temos. E quem não gostar que vire. Quem não gostar que siga o caminho oposto. Já vivemos tempo demais agradando os outros, agora vamos respeitar a nós mesmos.

Você não é apenas essa pessoa que vê refletida no espelho. Não é apenas as palavras que profere às outras pessoas, não é apenas sua forma de vestir. Você é o seu caminho percorrido durante a vida, todas as suas experiências vividas e integradas no fundo do seu ser. Ninguém melhor do que você para saber o que motiva suas ações, para fazer suas próprias escolhas, para escolher qual caminho seguir. Para ter a possibilidade de julgar quem você é, a pessoa deve calçar as suas botas e enfrentar o que você enfrentou e isso é quase impossível. Por isso, saiba que você melhor do que ninguém sabe o que é melhor para você, o que você guarda aí dentro, o tanto que você poderia ir além.

Espero muito que vocês gostem, um super beijo e até o próximo post!

84 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *