Diga-me como você se expõe e eu direi qual é o seu vazio

Elisabete publicava selfies em seu Facebook exaustivamente. Paulo trocava de namoradas diariamente. Beatriz limpava a casa exageradamente. João comprava tudo o que via incansavelmente. Felipe comia compulsivamente. Carla monitorava a vida alheia inesgotavelmente. Marcos poupava dinheiro neuroticamente. Joana fumava insistentemente. Você já percebeu que em cada excesso mora uma falta? Escondemos nossos buracos internos publicando selfies excessivamente, competindo silenciosamente pelo melhor carro ou closet, controlando ou vigiando a vida alheia, se exercitando ou trabalhando exageradamente, comendo ou chorando demais. Viver é conviver com faltas, com incompletudes que de vez em quando nos visitam de forma mais aguda e intensa, e em outros momentos, desaparecem.

Sabe aquela sua tia que não sai do celular, sua sobrinha que come exageradamente ou aquela sua amiga que compartilha a vida inteira no Facebook? Não adianta pedir para ela se desligar do celular, comer menos ou parar de publicar tanto, não adianta simplesmente porque é preciso olhar mais profundamente. É preciso olhar com empatia para buscar as faltas que cada excesso tenta encobrir. Faz parte da condição humana, que é limitada e cheia de conflitos, a sensação de incompletude. Faz parte de nós o desejo de pertencimento, a insegurança, o apego, a angústia. No entanto, em alguns momentos, essas sensações ficam mais latentes e, sem nos darmos conta disso, muitas vezes lidamos com nossas carências de forma distorcida.

Se preocupar com aqueles que você ama, falar das próprias qualidades, abastecer a despensa, comprar aquilo que lhe agrada, ficar conectado à internet, publicar fotos, tomar uma bebidinha de vez em quando.. é absolutamente normal. O problema é quando tudo isso começa ser feito de forma exagerada e se torna excessivo. Quando passa a atrapalhar nossa vida e daqueles que nos rodeiam. É preciso olhar com compaixão para a própria vida. É preciso entender o porquê daquela ansiedade, daquela insegurança, daquele apego. É preciso desistir de nos cobrar atitudes diferentes quando ainda não nos libertamos das causas daquele comportamento.

Se fosse tão simples parar de comer qualquer um conseguiria se submeter a regimes drásticos em pouco tempo. Se fosse tão fácil parar de limpar uma casa ou acumular coisas exaustivamente, não haveria transtornos como o TOC. Se fosse tão simples deixar de se apegar exageradamente a tudo e a todos, não haveria tantos livros de autoajuda ou métodos de relaxamento. Vez ou outra estaremos nos excedendo em alguma coisa, e isso nem sempre é ruim. O empenho em sermos bons naquilo que amamos fazer, a energia que empenhamos para concretizar nossos planos, a persistência naquilo que buscamos, tudo isso é necessário. No entanto, é preciso separar aquilo em que concentramos nossas energias para a realização de algo bom e aquilo em que gastamos nossa energia como uma fuga dos nossos problemas reais.

Precisamos aprender a olhar de outro jeito para as pessoas, com mais empatia, com mais afeto. Entender que nem sempre aquele excesso que incomoda tanto – excesso de exposição, de arrogância, de intolerância – é um sinal, uma falta – falta de amor, atenção, coragem, segurança, força. E assim, aprender a desvendar a si mesmo também, fazendo a si próprio a derradeira pergunta: que falta meu excesso esconde?

Espero muito que vocês gostem, um super beijo e até o próximo post!

40 Replies to “Diga-me como você se expõe e eu direi qual é o seu vazio”

  1. Que post ótimo, Kaila! Adorei.

    Beijo!
    Cores do Vício

    1. Fico feliz por você ter gostado, Pathy! ❤

  2. que texto hein, muitas vezes usamos esses artificios pra disfarçar algum vazio

    http://www.tofucolorido.com.br

    1. Fico feliz por você ter gostado, Lívia! ❤

  3. Monyque Evelyn says: Responder

    Que sensacional!!

    1. Obrigada, Monyque! ❤

  4. Canalizar nossa energia para aquilo que realmente vale a pena é difícil, mas super necessário em nossa vida. As redes sociais precisam ser usadas com mais atenção mesmo, elas nos expõe e aos nossos problemas de maneira excessiva. Tenha um ótimo dia, beijos!

    http://www.paisagemdejanela.com

    1. E como expõem, Paula..

  5. Olá Kaila! tudo bem?
    que texto bonito, gostei da mensagem que você passou.. realmente, precisamos ter mais empatia com as pessoas e entender os motivos de cada um.. muitos exageros tem motivos diferentes por trás!
    beeijo
    https://lecaferouge.blogspot.com/

    1. Oi Tamara, tudo bem e você? Não sabe como fiquei feliz por você ter gostado! ❤

  6. Oi Kaila, tudo bem?
    Boa reflexão! Adoro as redes sociais, mas faço o máximo possível pra não viver só em função delas e aproveitar a vida real.
    Beijos,

    Infinitas Vidas

    1. Oi Priih, tudo bem e você? É preciso saber ter equilíbrio. ❤

  7. Silvana Crepaldi says: Responder

    Olá, Kaila.
    Gostei do assunto abordado. Acho que tudo e excesso faz mal. Até coisas que são consideradas boas pode fazer mal sim se feitas em excesso. Acho que tem que ver o porque disso e procurar ajuda.

    Prefácio

    1. Sem dúvida, Silvana. Nenhum excesso é positivo!

  8. Parabéns pelo texto reflexivo, Kaila.
    Um beijo,

    http://www.purestyle.com.br

    1. Fico feliz por você ter gostado, Fernanda! ❤

  9. Que texto maravilhoso. Adorei
    Beijos

    http://www.glamour2.com

    1. Fico feliz por você ter gostado, Mary! ❤

  10. Oi, Kaila!
    Adorei seu texto. Realmente essa questão de excesso de exposição tem a ver com a estima da pessoa… hoje em dia estamos cada mais dependentes de validação
    Beijos
    Balaio de Babados

    1. Fico feliz por você ter gostado, Luiza! ❤

  11. Os dias de hoje se enchem tanto de informações por todos os lados, tanta gente que nos conhece e não os conhecemos.. e aí o vazio é realmente inevitável. Realmente se não houver um respiro, uma reflexão, fica tudo mais difícil! Ótimo texto!
    Beijos!
    Blog Jenifer Cruuz

    1. Não sabe como fiquei feliz por você ter gostado, viu? ❤

  12. Olá Kaila
    Um texto perfeito! Sábio, Inteligente, reflexivo e sensível.
    Sem dúvidas o excesso tem seu contraponto que é a falta. Nunca pensei por esse lado e é fundamental para o autoconhecimento.
    Bjs Luli
    https://cafecomleituranarede.blogspot.com.br

    1. Fiquei muito feliz por você ter gostado, viu? ❤

  13. Achei ótima sua observação, eu posto selfies minhas, mas não todos os dias. Não me sinto confortável pra ficar me exibindo em stories sabe? Só se for algo bem interessante mesmo.
    Big Beijos,
    Lulu on the sky

    1. Fico feliz por você ter gostado, Lulu. Também nunca me senti a vontade para postar stories..

  14. Que texto mara! Realmente o que nos falta nos dias de hoje, sem dúvidas, é a empatia. O amor pelo próximo

    http://www.estiilocarol.com

    1. E como falta, Amanda. Fico feliz por você ter gostado do texto! ❤

  15. Viver está muito banalizado. Se saímos sempre tem alguém que não vai largar o celular. Se queremos conversar a pessoa provavelmente só vai ouvir pedaços da conversa porque vai estar muito distraído pra prestar atenção. Se pedimos algo pra comer só pode triscar depois que tirar a foto pro instagram. Isso tudo vai saturando até que chega um momento que a companhia daquela pessoa não vai mais te agradar…. SADNESS

    Beijinhos <3

    1. Estamos vivendo assim mesmo, parece que é mais para mostrar do que realmente para viver, né?

  16. Mais um ótimo texto para reflexão, Kaila.
    A gente precisa de mais empatia para ver os excessos dos outros e tentar entender o que falta em nós.
    Bjus!

    galerafashion.com

    1. Fiquei muito feliz por você ter gostado, Adriana! ❤

  17. Que texto maravilhoso.
    Ótima reflexão!
    Beijos.
    http://vinteedoisdemaio.blogspot.com/

    1. Fico feliz por você ter gostado, Gabriele! ❤

  18. Aquele tapa na cara que eu levei já no título… Cansada de enaltecer seu dom de me fazer parar tudo o que eu estou fazendo em um dia corrido e refletir, viu?! hahaha Brincadeira! Eu já vinha adotando essa perspectiva timidamente, notando esse fenômeno que você descreveu – primeiro nos outros, depois em mim, depois nos outros de novo… A gente tem que, eternamente, se educar a querer, a despeito do que nossos incômodos nos dizem, tocar a alma do outro. Ali a gente se encontra.

    1. Ah Sabrina, se você soubesse como fico feliz com sues comentários. Muito obrigada! Fico feliz por você ter gostado! ❤

  19. Que post lindo e necessário! Sua introdução foi de matar mulher, minha nossa nossa nossa hahuah
    É preciso olhar-se mais profundamente e com mais gentileza para compreender o que te impede de viver plenamente e você coloca isso tão bem nesse texto.. Meus parabéns! <3
    Com carinho, Nina
    http://www.entremcc.blogspot.com

    1. Ah Nina, tão feliz com seu comentário. Não sabe como fiquei feliz por você ter gostado! ❤

Deixe uma resposta