O que os outros pensam não me define, então deixo que falem e pensem o que quiserem

E você continua. E isso é uma das coisas mais resilientes que há em você. Você continua mesmo aos tropeços, mesmo não se sentindo suficiente para continuar, mesmo com um peso nas costas e com um quê de dúvida sobre pra onde ir. Você continua oferecendo o seu melhor mesmo depois de tantas decepções, mesmo depois de ter se desdobrado em mil, apesar do cansaço dos dias, das opiniões vagas, você continua. E, mesmo que o brilho nos olhos, não seja o mesmo de antes, você não deixa de olhar para as coisas e para as pessoas de um jeito bonito, de uma maneira ingênua, esperando o melhor dali. E mesmo com um nó na garganta, não deixa de oferecer palavras gentis, não deixa de ser suave ao falar sobre aquilo que te machucou. E mesmo ouvindo tantas opiniões alheias que não te definem, você continua porque você já viveu muito tempo dentro do casulo, aprisionando o que há de melhor em você.

Velejei por muito tempo dentro de uma bolha que aprisionava quem eu era por não me sentir suficiente, questionando-me e questionando a vida, até decidir que era hora de me libertar. Foi, então, que decretei minha metamorfose. Passei a vida equilibrando entre meus extremos. Perdendo-me entre muitos porquês, sempre buscando um sentido. A minha pressa quase me atrasou, mas não me demorei nesses dilemas e, simplesmente, soltei, deixei as coisas seguirem seu fluxo natural. Então pude compreender que o que os outros pensam não me define, então deixo que falem e pensem o que quiserem. Hoje, eu sei quem sou e nenhuma opinião equivocada me afeta.

Desisti de tentar entender tudo, de tentar controlar tudo, cansei de tentar desesperadamente ser quem eles queriam (ou esperavam) que eu fosse. Desisti da ideia (absurda) de ser perfeita, e, finalmente, percebi que posso ser eu: a menina, a mulher, o ser humano, o que eu quiser. Constatei que era loucura essa ideia fixa de tentar projetar esse corpo físico para ser o mais bonito e perfeito, quando minha alma vive em chamas, chamas que queimam meu coração e o fazem bater de um jeito tão bonito. Chamas que inundam meu ser e me enchem de luz. Uma luz branda, uma luz forte, que me alimenta e me conforta, que me faz ser suficiente, não para os outros, mas para mim.

E você menina, você continua sendo luz quando tudo escurece, nunca esqueça o quanto sua essência é extraordinária, o quanto ela é a melhor coisa que você poderia carregar dentro de si. E você sempre continua, ainda que com passos lentos. Você sente, mesmo que não sintam. Você vê quando ninguém vê e entende quando nem é preciso. Continua mesmo. Não perde esse jeito, não desanima, não desacredita. Você ilumina tanta gente por ser do jeito que é e se ilumina mais ainda por ter a coragem de continuar sendo quem é.

Espero muito que vocês gostem, um super beijo e até o próximo post!

38 Comentários

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *