Neste mundo pesado, benditas sejam as pessoas leves

Quando tinha oito anos morava em um sítio, construí minha própria padaria no quintal e vendia meus bolos feitos de terra o dia inteiro. Quando a brincadeira perdia a graça corria para um balanço que tinha bem na frente da casa e não saia de lá até me cansar. Queria ter uma máquina do tempo para ver os meus olhos brilhando conforme molhava a terra e moldava os meus bolos, queria ver meu cabelo voando no balanço, o riso sincero, as roupas simples, a inocência de criança outra vez. Queria por um segundo esquecer que o ser humano se entregou para a ganância, que a falta de empatia destruiu tudo o que havia de bom no coração. Talvez, a gente nunca compreenda as pessoas rasas. Talvez, a gente nunca conheça os reais motivos que fazem as pessoas despertarem tanto ódio. Mas, de uma coisa eu sei, nós não precisamos ser como elas.

Quem é raso quer que o outro também seja, ele tenta semear o tempo inteiro as ruindades que existem dentro dele no outro, mas, só cultiva quem quer. Eu sei que os caminhos ruins são fáceis de serem seguidos, enquanto os bons, exigem coragem. É mais fácil falar de alguém do que observar si mesmo, é mais simples armar uma cilada para o seu amigo para subir no cargo da empresa do que esperar anos para alguém enxergar o seu potencial. Mas, tudo isso te tira a paz e nada no mundo é capaz de traze-la de volta. Falar mal do seu amigo não te fará bem, por mais que te tire um riso na hora. Conspirar a favor de um amigo seu para alcançar algo que você almeja não te fará realizado. Abrir a carteira e ver algumas notas de cem te fará por um instante feliz, mas depois você vai querer algo mais.

Eu sei que essa vida é cheia de mistérios e que ninguém sabe o que é realmente certo ou errado. Mas, sei também que ninguém perde por ser bom. Quando você vê alguém que faz tanta maldade no topo, não tenha dúvida de que aquele topo é somente uma forma de se auto preencher. Sei que eles trocariam tudo para ter paz, para ter uma família unida, amigos sinceros e uma consciência tranquila. Quando você vê alguém falando de outro alguém, talvez seja porque aquele que foi tão julgado é somente o reflexo de tudo aquilo que o que tanto julgou queria ser.

Sempre achei que a coisa mais bonita que mora na gente é aquele desejo vago e sincero de ver o outro bem. Do nada, olhamos um desconhecido na rua, caminhando com pressa, de manhã cedinho para o trabalho, a expressão preocupada, e a ele dirigimos um voto silencioso, assim em pensamento, de que o dia seja bom. Sem mais, queremos bem a quem nem imagina a nossa existência. Ele nunca vai saber que foi objeto primeiro de uma oração humilde e sincera. Nem imagina que seu caminhar apressado despertou em alguém o que o ser humano tem de mais bonito. Essa capacidade perdida de querer bem a toda gente.

Dentro de nós tem amor e tem ódio sempre. Eles moram juntos. Mas é você quem escolhe quem manda na casa. Não adianta varrer poeira para debaixo do tapete. Precisamos limpar o chão, lavar a sujeira e tirar o lixo para fora. Precisamos escolher qual caminho seguir. Ou você semeia o lado ruim que existe dentro de você ou você é aquele toque de afeto que falta nesse mundo. Não há ódio que crie asa quando o amor é quem manda na casa!

Espero muito que vocês gostem, um super beijo e até o próximo post!

75 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *