Esse vendaval vai passar e vai deixar somente o que você precisa

Eu sei que os vendavais estraçalham nossa estrutura, levam consigo nossa base e depois, é preciso se reconstruir. Eu sei que algumas tempestades são mais fortes que as outras, elas deixam marcas, tiram o chão, tiram o ar, tiram o rumo. Já vi elas me tirarem a empatia, já vi elas me apresentarem a resiliência, já vi dor virar aprendizado. Pode até não parecer mas, sempre iremos sobreviver aos terremotos existenciais, por pior que eles sejam. Uma hora ou outra aprendemos que assim como o riso tem fim, a dor também tem. As tempestades são preciosas, somente quando estamos em uma eternizamos em nós lições que o riso não trás. Dentro delas, aprendemos que nada é nosso, ninguém é nosso, nada nos pertence, nada permanece, tudo foge do controle, nada é infinito. Então, qual o motivo das suas preocupações? O que te tira a paz? Para que tanta rigidez? Permita ser o que tiver que ser.

Por vezes, resisti. Não queria aceitar que não tinha controle sobre minha própria vida, não queria aceitar que havia vida fora da bolha que eu mesma criei, não queria sair da minha zona de conforto. Até que a vida me mostrou que não importa onde estamos, como estamos ou com quem estamos, que não importa quantos carros temos na garagem, quantas bolsas de marca guardamos no closet ou quantos imóveis adquirimos ao longo da vida. Ela me mostrou que vamos para o mesmo lugar e que não temos certeza de nada. Ela me mostrou que o ser humano é obscuro, vazio, por vezes, não é nada sem aquilo que ele pensa ser dele. Ela me mostrou que precisamos de tão pouco para sermos inteiros. Afinal, se te tirassem tudo e ficasse apenas o que você carrega dentro de si, quem você seria?

As pessoas criam seu caminho de acordo com suas bagagens, crenças e vivências. Seu temperamento controlador não mudará o percurso do outro, então não se desgaste. Você ter dois carros, duas casas e três empregos não te fará ter mais valor que sua vizinha que paga aluguel e vive com um salário mínimo. Nesse mundo nosso valor pode até ser definido pelo que temos, mas, no fim da vida somente nós saberemos o que construímos em vida e qual fatura pagaremos na morte.

Leve para a vida: não queira resolver os problemas dos outros, não pegue para si os problemas dos outros, não carregue tanto peso e não carregue ninguém nas costas. Diminua a sua bagagem. Entenda que as coisas que você carrega não são suas, as pessoas que estão ao seu redor não te pertencem, o que você adquiriu em vida ficará e você irá. A vida ficará mais leve se você apenas viver. Por isso, mexa os ombros, relaxe as costas, inspire e solte todo ar, solte sua vida e as pessoas e entenda que você não precisa de tudo aquilo que pensa que precisa, a vida vai muito além da nossa bolha, se permita, não insista, o que tiver que acontecer já está escrito.

Espero muito que vocês gostem, um super beijo e até o próximo post!

48 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *