Fala sério, o que uma blogueira faz?

Julgam sem conhecer. Julgam sem saber. Julgam porque é mais fácil falar do que se abrir para conhecer o que é novo. Será que as blogueiras conquistaram seu espaço apenas por ficarem deitadas de pijama escrevendo qualquer bobagem, como muitos dizem? Estariam elas aqui apenas para receber produtos? Qual seria o seu propósito? Antes de ser, elas precisaram mergulhar em um mundo desconhecido. Não existe um percurso fixo para ser uma criadora de conteúdo, cada uma constrói seu próprio caminho a partir daquilo que tem a oferecer. Você já parou para pensar que sem os truques de maquiagem da Camila Coelho talvez sua maquiagem não fosse a mesma? Que sem as referências de moda trazidas pela Luisa Accorsi , talvez você não soubesse usar aquela calça pantacourt? Que sem as palavras da Bruna Vieira, aquela tristeza poderia não ter cicatrizado, porque você não recebeu uma palavra amiga? Você já imaginou que sem elas talvez sua vida não tivesse o mesmo brilho, entretenimento e inspiração?

Milhares de pessoas, cada uma com a sua particularidade, tornam suas vidas expostas para poder inspirar a vida de outras pessoas. Elas não pedem nada em troca, apenas recebem gratidão e oportunidades como uma recompensa por sua boa intenção. Um criador de conteúdo não é apenas uma pessoa que fica em casa postando conteúdos aleatórios em uma página na internet. Em um telejornal, por exemplo, o editor geral escolhe abordagens, designa tarefas, informa o que precisa ser feito e administra as ações do grupo para que as pautas do jornal sejam criadas, revisadas e apresentadas durante o programa. Diferentemente do editor geral, que fica no topo dessa cadeia de funções, o blogueiro representa todas essas áreas. Ele é o editor, o pesquisador, revisor, apresentador e mais milhares de funções em um só indivíduo, por isso, tantas buscas para aprender como ser um criador de conteúdo.

Uma plataforma precisa ser escolhida, um layout criado, equipamentos devem ser comprados. Mas, o mais difícil: um criador de conteúdo precisa se conhecer o suficiente para poder transmitir seus aprendizados para outro alguém, sem um diferencial, ele se torna apenas um em um milhão. Infinitas pessoas se arriscam em um mundo que ninguém conhece, em um espaço único que proporciona experiências totalmente diferentes para quem o frequenta.

Suas vidas se transformam em um trabalho sem fim, já que o trabalho é mostrar tudo o que acontece durante o seu dia a dia. Durante o dia, vários stories são feitos no Instagram, um post novo por dia no site, três vídeos semanais no Youtube. Planeja seu cronograma de postagens semanais. O cabelo precisa estar arrumado, as unhas feitas e a maquiagem feita para fotografar e gravar vídeos. Precisa estar com conteúdos novos diariamente. Precisa responder comentários, e-mails e ainda ter tempo de estar com a família. Precisa escrever sobre diferentes assuntos. Precisa cuidar da casa, do marido e de si. Precisa pagar as contas, ir ao banco e entregar trabalhos. Os horários não existem, por fim, trabalham quando acordam, antes de dormir e durante uma festa.

Elas investem em produtos que acabam de ser lançados, para que você não faça um investimento errado. Investem em câmeras boas, editores de vídeos, editores de foto, computador, em roupas para produzir conteúdos. Elas enfrentam a vergonha, os olhares, para lhe inspirar através de uma fotografia. Antes de agir ou de dizer qualquer palavra, elas pensam nas inúmeras pessoas que a acompanham e no que aquilo irá representar. Porque ela escolheu doar o que há de mais bonito em si, em um mundo de ódio gratuito, ela quis fazer a diferença e ser inspiração.

Nenhum trabalho deve ser menosprezado ou comparado, cada um tem seu peso e seu valor. Se todos escolhessem ser professores, advogados ou veterinários, quem seria inspiração, apresentador ou carpinteiro? Cada pessoa guarda dentro de si um dom, todos nasceram com uma missão e no momento certo, cada um saberá qual é o seu percurso. Que nós possamos depositarmos amor e admiração na ação do outro e na nossa própria ação. Que cada um possa respeitar a decisão, profissão ou hobby do outro. Que nós possamos guardar a negatividade em um lugar que a gente nunca encontre, para que o mundo se torne um lugar melhor.

Compartilha com a gente: com qual profissão você mais se identifica?

Espero muito que vocês gostem, um super beijo e até o próximo post.

68 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *