Liberte-se do lixo emocional e cure a você mesmo

Iniciava-se o dia com uma pintura rosa no céu, que desaparecia dentro de instantes concedendo espaço para um sol brilhante, rodeado de nuvens. Crianças corriam para jogar bola, pular corda ou brincar de amarelinha. Estranhos se cruzavam e diziam bom dia. Não existia essa competição constante, os bens materiais não estavam em primeiro lugar, as pessoas não queriam tirar proveito de tudo, antes de tudo, havia ternura pelo próximo. Por quê nosso mundo ficou tão cinzento? Por quê não temos mais tempo para dizer um simples bom dia ou perguntar ao nosso colega de trabalho se está tudo bem de maneira sincera? Quando essa pergunta é feita realmente nos importamos com a resposta ou é apenas um roteiro de diálogo pronto que utilizamos diariamente? Em nosso armário foi adicionado figurinos que nos oferecem, vivemos como personagens em uma vida que não é nossa. Silenciamos no fundo do peito um eu que muitas vezes nem sabemos que existe. De repente, do nada, um imprevisto, uma palavra mal interpretada, uma situação limite nos faz trombar conosco mesmo, com aquele que foi escondido em meio aos personagens. Guardamos tanta coisa dentro de nós que quando tudo vêm a tona, ofendemos pesadamente quem  amamos, ofendemos a nós mesmos.

Dizem que é importante prezar pelo nosso universo, pelas pessoas ao nosso redor, pelo nosso trabalho, mas ninguém diz o quanto é necessário cuidar da nossa mente. Infelizmente, em nosso interior estão guardados sentimentos e emoções negativas que sem nenhum cuidado se tornam mágoas mumificadas que um dia sairão de nós causando estragos homéricos. Há muitos corações feridos em nossa sociedade, repletos de lixo emocional. Lixo este que nosso coração não sabe como reciclar ou digerir, até porque essa não é a função dele. Quantas pessoas vivem no calabouço de suas emoções, sequestrados e acorrentados por rancores, atormentados por sentimentos de vingança e limitados por terem gastado toda sua energia produtiva e seu potencial com as impurezas que foram acumuladas por décadas, e o pior, sempre se convencendo de que a culpa é de alguém.

O que não verbalizamos vira lixo emocional e um dia vem à tona com força total, completamente desgovernado. Sente-se com quem você ama e tenha boas conversas, francas e calmas. Não se discute relação apenas com namorado/namorada, marido/esposa. Discute-se relação com amigos, parentes, com as  as pessoas importantes que fazem parte da nossa vida. Acumular palavras, emoções e sentimentos desagradáveis, prejudica a saúde mental e às vezes até a física, em casos de somatização. Acumular lixo emocional deteriora as nossas relações, tira a qualidade de vida, nos faz perder de nós mesmos, cria muros invisíveis. Por vezes, nos sentimos travados em relação a um ente querido e nem sabemos o por quê. Aglomeramos tantas palavras no peito que chega um momento em que nem sabemos mais por que aquela relação se perdeu, esfriou,  se encheu de lacunas e silêncios incômodos.

Sejamos generosos conosco, para que possamos olhar para o outro com a mesma atenção e cuidado com que devemos endereçar a nós próprios. Por mais doloroso e cansativo que seja debater os conflitos, este exercício é necessário. É um tratamento preventivo para muitos males da alma. Não segure palavras no peito. Elas apodrecem o melhor das suas emoções e sentimentos. Elas apodrecem você mesmo. Sorria levemente, não com a tristeza de um pássaro que perdeu as asas, mas com a alegria de quem agora infinitamente aprendeu a voar..

Espero muito que vocês gostem, um super beijo e até o próximo post!

58 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *