Ame-se o suficiente para saber quando ir embora

Amor próprio é aquele sentimento de estima, dignidade ou respeito que cada um tem por si mesmo, diferentemente do egoísmo, que é o sentimento onde você faz qualquer coisa em beneficio próprio, independente se irá ferir ou prejudicar outro ser humano, sentimentos tão distintos, são constantemente confundidos. Amor, sofrimento ou egoísmo nunca deveriam se encontrar em uma mesma frase, tão pouco em um mesmo coração. Se esses sentimentos por algum motivo foram interligados o resultado será um adeus, qualquer relacionamento se desfaz por conta da desigualdade, casos estes onde as contribuições de cada pessoa são impares e o custo em moeda de dor é muito alto aos escassos benefícios, fazendo-o pensar no amor próprio e não se permitindo chegar a tal extremo. Se há uma coisa que é muito dolorosa, é saber o momento de ir embora da vida de uma pessoa, transformando-a em uma eterna lembrança, e não em um costume odiado. Se despedir é a arte do sofrimento, mas também do aprendizado.

Entre os caminhos existentes, cruzamos com fatores que nos leva a acreditar que tudo o que fazemos e somos nunca é suficiente. Entre os percursos fáceis, está uma trilha estreita, que nos diz totalmente ao contrário, porém, é mais difícil segui-la. Boa parte dos grandes ensinamentos estão escondidos em lugares que poucas pessoas tem coragem de explorar, e esse está em um deles. O amor é antes de mais nada uma escolha que fazemos em liberdade. Contudo, na maioria das vezes, ele é um sentimento que causa sofrimento na humanidade. Antes de cair nesse estado de dor emocional é preciso saber dar um adeus a tempo, evitando assim alongar situações que na verdade são destrutivas.

Se relacionar com outra pessoa, seja ela, seu cônjuge, seus pais ou amigos, é um verdadeiro desafio que sofre mudanças contínuas. Essas transições tem a finalidade de fortalecer o vínculo e fazer o relacionamento fluir, mas quando você percebe que esse fluxo não condiz com quem você é, alguns pontos precisam ser repensados. Nosso mundo se tornou uma bolha material, pessoas passam por cima das outras por status, esmagam sentimentos por benefícios próprios e criam falsas situações para alcançar seus objetivos.

Li em um texto uma vez que a arte costuma representar o amor com uma venda nos olhos e asas nas costas: a venda serve para não enxergarmos os obstáculos, mas felizmente nos dão duas asas para poder vencê-los. As concepções que nos impedem de colocar um ponto final em um relacionamento são, na verdade, vírgulas, pontos e lembranças que alongam o sofrimento desnecessário que aumenta a vulnerabilidade do próprio amor.

As coisas nem sempre serão como você deseja, evite o autoengano. Talvez você tenha perdoado mais do que o necessário até esquecer onde estavam os seus limites, esperando que aquela pessoa pudesse promover um resultado diferente, mas mesmo com tantas oportunidades, ela não promove.

Ninguém vai mudar por você. Na verdade, as pessoas não mudam, é muito provável que não fossem como você pensava a princípio, e isso é uma coisa que você precisa considerar. Ninguém muda a sua forma de ser da noite para o dia, mesmo que a gente deseje isso intensamente.

Sofrer por amor não é um gesto heroico ou romântico, é uma forma de autodestruição. Se fizeram você acreditar que ter um relacionamento é ter que sofrer e estabelecer uma luta contínua, você foi enganado. Qualquer relação é uma via de mão dupla, ambos precisam construir e amar, quando isso não ocorre de uma das partes, é vazio tentar construir algo sozinho ou se preencher de metades.

Não se prenda a algo por medo da solidão. Ame-se o suficiente para saber quando ir embora, sempre será preferível a própria solidão do que uma presença que veta a própria felicidade e o equilíbrio interior. Amar não é dar tudo em troca de nada, é se enxergar como merecedor de respeito e reconhecimento.

Ame-se o suficiente para não aceitar desculpas se elas não vierem acompanhada de ações. Não sofra com a guerra de outras pessoas. Não participe de conversas negativas, não fale dos outros e nem fique rodeado de pessoas que reclamam constantemente de suas vidas. Ame-se o suficiente para entender que não há motivos para se justificar a cada ação tomada, não há porque explicar os motivos pelos quais você terminou seu relacionamento, ou por que deixou seu antigo emprego. Sem racionalização para coisas que não precisam. Outras pessoas não precisam aprovar seus motivos para que sua decisão seja válida. Você não deve viver a mercê do que as pessoas esperam de você, a perspectiva de outras pessoas sobre você é algo que te limita. Ame-se o suficiente para escutar o seu eu interior, para sair quando se sentir a vontade, para ter ao seu redor pessoas que alavanquem suas energias, que compartilham dos mesmos ideais e que te façam crescer. Não tente convencer as pessoas a gostarem de você, não fique à margem, quando você pode ser rio, esperando uma oportunidade de alguém. Não priorize pessoas que te tratam como apenas uma opção. Lembre-se: você é muito mais do que o olhar de alguém sob você, seus percursos não merecem ser tóxicos, suas asas podem sobrevoar qualquer horizonte, força você tem, você apenas precisa fazer as escolhas certas.

Espero muito que vocês gostem, um super beijo e até o próximo post!

62 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *