Por que você deve parar de se comparar com os outros?

Entre os cosmos, existem as pessoas que vivem cada segundo como se fossem os últimos, velejam as utopistas e aquelas que exploram tanto seus próprios passos, que se esquecem que outros também caminham. Essas pessoas não reparam na sua forma de andar, em seu corpo ou no seu cabelo, ao contrário daquelas que cruzam o universo dos outros, elas entendem o verdadeiro valor de um segundo, e não o perdem em outro caminho a não ser no seu. Quantas vezes deixamos de lado instantes significativos para prestar atenção nas atitudes alheias? Quantas vezes deixamos de olhar para nós mesmos para reparar em alguém próximo? Esqueça o que o outro pensa ou o que o outro faz, sua história só pode ser escrita uma vez para viver na realidade do próximo e esquecendo-se de si.

Eu já fiz e você também: olhamos para o que os outros estão fazendo e desejamos que aquilo aconteça na nossa história. Ou, de maneira oposta, desprezamos aquilo que eles estão fazendo e os julgamos. No primeiro caso, a gente desdenha nossa própria vida, e no segundo, uma sensação cruel de superioridade se faz presente. O que há em comum? Nenhum dos casos nos faz feliz. Sou uma usuária ativa no Instagram, então vejo muitas fotografias todos os dias: pessoas indo para festas, viajando o mundo, na praia, se exercitando, conhecendo pessoas famosas.. em geral, compartilhando lados bons de suas vida. Rotineiramente, explorar esse tipo de foto com uma certa frequência abre espaços para que alguns questionamentos comecem surgir:

Por que você não está comendo comidas tão bonitas? Por que não está viajando ou praticando esportes, ou fazendo qualquer outra coisa além do que está fazendo agora? Por que você não tem um corpo melhor?

Obviamente, essas são comparações injustas. Visto que essas pessoas que consideramos tão incríveis, não postam os lados cotidianos ou obscuros de suas vidas, eles não compartilham sobre suas ansiedades, tédio, hábitos negativos e inseguranças. O que vemos nas mídias sociais é apenas uma seleção de melhores momentos. Mas, mesmo que fizéssemos uma comparação de igual para igual – seus melhores momentos contra os melhores momentos deles – qual seria a razão disso? Porventura, nossos instantes precisam ser melhores do que os das outras pessoas? Esses momentos determinam nossa felicidade? Será que a vida se trata de melhores momentos, do melhor cabelo ou da roupa mais bonita?

Felicidade é apreciar o que está na nossa frente, e não em desejar que você estivesse fazendo outra coisa, sendo diferente de quem você é. Encontramos a beleza da vida quando prestamos mais atenção nela. Não preciso usar roupas mais bonitas que as suas ou deixar o meu cabelo tão cacheado como o seu para tornar minha vida extraordinária, preciso apenas não querer ser melhor que ninguém: ame quem você é, onde você está, e o que está fazendo. As comparações não nos tornam mais felizes, elas criam apenas batalhas internas.

Conseguir se liberar totalmente dessa mentalidade de comparação e do olhar julgador e preconceituoso que temos contra as outras pessoas, nossa vida seria transformada de uma forma intensa, iriamos perceber o grande segredo sobre as pessoas: elas são incríveis. Todas elas: eu, você, seus familiares, amigos, as pessoas que você não gosta, aquelas que você nem conhece. Não existem duas pessoas iguais: cada uma tem uma história, uma essência e uma maneira de ver a vida. Estamos tão acostumados em julgar as características particulares como ”boas” ou ”ruins” que acabamos nem enxergando mais quem as pessoas realmente são – quem nós somos. Faça o que fizer, não se compare com os outros. Afinal de contas, você é raro – e tudo que é raro é incomparável.

Espero muito que vocês gostem, um super beijo e até o próximo post.

38 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *