Você sabe dizer “NÃO” ou sempre tenta ser o bonzinho?

Há alguns anos atrás, minha história trilhou uma nova etapa, constituída por novos aprendizados e amadurecimento. Entendi que para seguir os caminhos da minha essência precisava entender o que era a assertividade. Essa é uma ideia baseada na igualdade, onde os seus interesses e o de outras pessoas podem ser significativos na mesma frequência. Uma pessoa assertiva consiste no modo seguro e confiante de agir. Talvez alguém possa pensar que dizer não é coisa de pessoas más, e que quem faz isso está sendo egocêntrico. Entretanto, em alguns momentos estabelecer limites é necessário, entender que oferecer o que não é alcançável, faz com que a gente perca o controle da nossa própria vida, consequentemente, sentiremos raiva por fazer coisas que na realidade não queremos, por conta de manipulações e chantagens emocionais dos outros.

Conquistar essa segurança em si mesmo para poder dizer não sempre que for necessário, não é simples. Principalmente, por muitos verem essa ação como um ato egoísta. Entenda, ser uma pessoa assertiva não se trata de ser um egoísta que ignora as necessidades dos demais, e sim de encontrar um equilíbrio entre os dois extremos: o de dizer sempre sim e o de dizer sempre não. Devemos interpretar as vontades do nosso ser, que assim como os outros, deve ser respeitado e ouvido. Precisamos ter consciência dos nossos fundamentos, da nossa escala de valores para saber quais coisas desejamos fazer e quais não, tendo em mente sempre que não somos responsáveis pelas circunstâncias que acontecem, que problemas são frequentes e que nem sempre somos donos da solução.

Esqueça o medo e a sensação de culpa ao negar determinadas situações, a melhor forma de superar o medo é afrontando as situações que nos assustam. E com relação à culpa, é mais um tema social que aprendemos, mas se temos consciência dos nossos fundamentos, poderemos dizer “não” baseados claramente em algum motivo, e isso nos dá a segurança de que precisamos. No momento em que valorizamos de verdade nossas razões, não atuando de maneira precipitada, já não sobra lugar para sentir culpa, pois a decisão que tomamos foi de acordo com nossas convicções.

Pessoas pouco assertivas se afastam de qualquer tipo de controvérsia e precisam agradar sempre, até o ponto em que não realizam seus próprios desejos e necessidades. Acreditam que, para serem aceitos pelos demais não podem negar nada, e no fim das contas acabam sempre fazendo coisas que não querem e que vão contra seus princípios. Sua motivação é o medo da rejeição e a falta de confiança em suas próprias ideias.

É de extrema importância ressaltar que esse é um perfil muito diferente daquele pessoa que decide, de forma consciente e voluntária, dedicar sua vida a ajudar o próximo, resignando suas necessidades em algumas ocasiões. Nesse caso, se trata de uma escolha livre e pessoal, e como resultado, a pessoa se sente profundamente satisfeita e feliz.

Essas pessoas são contrárias ao que descrevemos acima, pessoas pouco assertivas sacrificam seu próprio bem estar, baseando-se em medos e inseguranças, algo que, não gera nada além de uma grande insatisfação pessoal, seja no trabalho, com a família ou amigos. Por qual motivo deveríamos render nossas vontades? Será que seus desejos devem ser substituídos por deveres, responsabilidades e circunstâncias que não são responsabilidades suas por medo de dizer não?

Em qual situação você já quis dizer não e não falou por insegurança? Compartilha com a gente!

Espero muito que vocês gostem, um super beijo e até o próximo post!

52 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *