Por que as pessoas se preocupam tanto com a vida alheia?

Perco horas observando as crianças, o sorriso verdadeiro que elas distribuem cada vez que exploram uma sensação nova, a emoção de aprender palavras diferentes, a inocência e a alma vibrante são particularidades que me deixam fascinada. Quando chegamos a uma certa idade começamos a perceber que as coisas não fluem tão bem como imaginamos, velejamos sob um mundo fácil de ser explorado, mas incompreensivelmente o tornamos mais árduo. Diversos fatores me surpreendem diariamente, o mais melancólico deles é observar o quanto as pessoas pensam ter autoridade sobre nossas próprias vidas, como na mente delas tudo é inferior, pequeno e insuficiente, a escolha certa é seguir o que elas falam, pois em suas cabeças, esse é o caminho correto. Será que a vida não seria mais fácil se cada um se preocupasse com a sua realidade?

Cada ser é individual, o que se passa dentro do meu coração é diferente do que se passa dentro do seu, minha mente pensa de um jeito, minhas opiniões são formadas de uma maneira particular e os meus caminhos podem ser diferentes dos seus. Desde criança meu conceito foi esse, o mesmo pode ter sido gerado pela minha personalidade forte, mas se não fosse por ele não teria enfrentado tantos percursos diferentes. Podemos conviver com as mesmas pessoas diariamente, entretanto, mesmo com a rotina parecida, todas vivem de uma maneira distinta. Por isso, ninguém tem o direito de julgar ou de opinar sobre a vida do próximo, pois quem conhece a realidade e sabe o que enfrenta todos os dias é a pessoa e mais ninguém, nunca vamos entender a realidade do próximo, seja ela positiva ou não.

Uma pessoa passa perto de nós, cabelo escovado, uma roupa elegante, alguns acessórios, logo imaginamos o quanto a vida dela é extraordinária, sem ao menos saber se ela tem uma cama quente para deitar, o que ela precisou passar para estar onde está, o quanto itens da moda podem mascarar uma alma vazia. Um casal mora em uma casa singela, com dois filhos, um estilo de vida simples e todos os motivos do mundo para ter atritos, porém, com tão pouco eles conseguem ser mais felizes que muitos. São vidas divergentes, realidades distintas e sentimentos que jamais seremos capazes de entender.

Não seja o tipo de pessoa que aponta o dedo e pensa que a única maneira certa de viver a vida é aquela que você vive. Tão pouco seja aquela influenciada pelas palavras que as pessoas emanam. Dizer todo mundo diz, opinar é comum, falar e não fazer é mais ainda, pergunte a si mesma: com tantas formas para se viver, porque se limitar aquela que todo mundo vive? Deixe-me dizer uma coisa: fomos presenteados com uma passagem e devemos aproveitar nossos instantes da maneira que quisermos, nossa existência é curta demais para criar barreiras, para não se entregar, para se enquadrar em uma única coisa. Siga os caminhos que lhe atraem, faça coisas sem pensar, encare os resultados da sua vida de cabeça erguida, use as roupas que você gosta, permita-se, ria alto, dance até você se cansar, apaixone-se, se descubra, se conheça, explore esse universo, os sentimentos, sua alma, tenha em mente que se tudo der certo, amém, se não, saiba que nada é em vão.

Espero muito que vocês gostem, um super beijo e até o próximo post!

78 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *