Quando a gente se aceita, o mundo nos aceita!

Se sentir um peixe fora da água é muito comum, a sensação de não se encaixar em lugar é constante, se sentir diferente dos rótulos impostos pela sociedade é uma das maiores dificuldades vividas por alguém. Quando criança gostava de ficar na rua, correndo, pulando corda ou brincando de pega pega ao invés de brincar de boneca ou de casinha, tempos depois preferia brincar de padaria, de loja ou assistir desenhos ao invés de ir para a casa das minhas amigas, na pré adolescência os problemas com o espelho começaram a surgir, o cabelo não era legal, o corpo não era ideal, os caminhos ficaram estranhos, mas depois de um tempo, me encontrei e percebi que esses fantasmas sempre estarão presentes em nossas mentes, seja por ligar para a opinião dos outros, por escutar comentários ofensivos ou por dar bola para os rótulos impostos pela sociedade. Há quem diga que precisamos de barriga chapada para ser feliz, para outros basta estar ao lado do menino mais comentado da escola, mas para mim a felicidade não é alcançada por ter ou estar, é conquistada através da aceitação.

Confrontar alguns problemas pode não ser fácil, no entanto grande parte deles não aparecem em nossas vidas através do mundo externo, essa briga é interna e se a alimentarmos iremos estar nós entregando. Pais desaprovação não é rebeldia, combates internos não acontecem por conta da idade. Nestas horas, tudo que seu filho precisa é de uma pequena palavra de conforto, que demonstre o quão importante ele é. Demorei alguns anos para perceber que nossas particularidades são tudo que temos, ter o cabelo diferente, nosso sorriso amarelo, andar de um jeito desengonçado, ter a voz mais fina ou usar nossas roupas amassadas nós torna inigualável.

Essa batalha interna será constante em nossa existência, o que muda é a forma que iremos reagir diante à ela. Pensou que o seu cabelo poderia ser diferente? Agradeça por ele ser diferenciado de todos os outros. Se achou gordinha e não vai vestir aquela roupa? Pense na quantidade de pessoas que daria tudo para ter um corpo igualzinho o seu ou nas milhares que iriam amar usar aquela peça que hoje você está rejeitando. Seus amigos da escola te deixam de lado? Isso mostra o quão especial você é, suas particularidades são singulares para ser entendidas por pessoas normais, ao invés de se sentir triste ou desencaixada, aproveite esse tempo para entender e explorar um pouco mais de si mesma. Seus pais não te entendem e julgam sua negação? As vezes tudo que eles precisam é de um empurrãozinho, se você se abrisse e dissesse o que está lhe incomodando, as coisas poderiam se tornar mais fáceis.

Independente do momento que você está enfrentando saiba que toda batalha tem um fim, somos donos dos nossos atos e dos resultados da nossa trajetória. Todos os dias meu cabelo acorda bagunçado, odeio que me acordem e demoro séculos para levantar da cama, meu dia só começa depois que a casa estiver organizada, amo tirar cochilos depois do almoço, não sei a hora de parar de brincar e odeio que me fazem cocegas, quando penso em usar um cropped minha barriga fica de mal de mim e resolve dobrar de tamanho, quero as coisas do meu jeito e emburro por qualquer coisa. Mas, no fim dessa grande lista de defeitos percebi que rejeitar esses atos é rejeitar a mim mesma. Agora te pergunto, porque reprovar as únicas coisas que me tornam tão incomparável?

Espero muito que vocês gostem, um super beijo e até o próximo post.

70 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *